jusbrasil.com.br
13 de Junho de 2021

Como aperfeiçoar a escrita

Um guia para Estudantes de Direito

Carolina Nascimento, Estudante de Direito
Publicado por Carolina Nascimento
mês passado

É de praxe ouvir, sendo bacharelanda em Direito, uma presunção bastante comum por parte de meus conhecidos: "Estudante de Direito tem que gostar de ler e saber escrever!" No entanto, não necessariamente a realidade dos nossos colegas (e de nós mesmos) é essa, visto que não necessariamente por ter o hábito da leitura apreciarei ler doutrinas, ou por ter a habilidade de escrita terei facilidade em redigir uma petição. Nem tudo são flores, mesmo para aqueles que já ingressaram no curso crendo que esses aspectos seriam facilmente dominados. É com o objetivo de auxiliar os bacharelandos que pretendem aperfeiçoar a sua escrita que escrevo esse artigo, e espero que seja de grande ajuda!

  • Hábito de leitura

Como supracitado, não é a leitura isolada, muito menos de certos gêneros, que desenvolverá sua escrita. Textos de gêneros informais e até mesmo algumas leituras de ficção independentes (como as fanfictions) muitas vezes estão repletos de erros, o que é compreensível, por serem autores amadores ou pessoas sem hábitos de escrita. Não que seja necessário ler e interpretar todas as obras de Machado de Assis, mas é interessante conhecer também os clássicos e absorver o que pode ser aplicado em sua escrita formal. Literatura de não-ficção e de ficção são uma boa pedida, contudo, para estudantes de Direito, minha sugestão como complemento é a leitura de artigos jurídicos e das doutrinas, avançando aos poucos, se ainda estiver nos primeiros semestres de curso, para as jurisprudências.

  • Gramática correta

Um bom texto depende majoritariamente dos elementos de sua escrita. Se você ingressou em sua faculdade pelo ENEM, com certeza lembra das competências textuais exigidas e avaliadas em sua redação, sendo a primeira delas o domínio da Língua Portuguesa formal. Indubitavelmente, é necessário conhecer as regras de nossa língua materna, e, se esse é um aspecto no qual você sente dificuldade, esse é o momento de revisar e aprender a grafia de palavras que te deixam dúvidas, em que situações se utiliza crase, quando a vírgula é necessária, etc. Nunca é tarde para aprender, e não é vergonha se confundir às vezes! O mais importante é ter a iniciativa de querer escrever de forma adequada.

  • Ampliar vocabulário

Esse é meu tópico favorito. Quando se tem o hábito da leitura, é inevitável aprender novas palavras e compreender melhor a estrutura de um texto, entretanto, nem sempre sabemos em que fontes podemos ampliar nosso vocabulário para encontrar palavras mais adequadas ao nosso ramo. De minha parte, gosto de procurar em dicionários sinônimos de palavras que uso com frequência, mas sem exagerar na formalidade, para que não torne meu texto de difícil compreensão. A leitura dos textos de âmbito jurídico também te farão descobrir muitos novos termos para aplicar em sua escrita. O principal objetivo nesse aspecto é evitar a repetição de palavras e a redundância, sem comprometer a fluidez de seu texto.

  • Elementos de coesão e coerência

Tratando de fluidez, a coesão e a coerência são indispensáveis a um escritor. Que atire a primeira pedra quem nunca teve que reler um parágrafo diversas vezes pelo fato de o autor não ter conseguido deixar suas ideias claras... Isso é mais grave do que aparenta. Sabendo disso, é de suma importância conhecer os elementos de coesão (que também fazem parte de nosso vocabulário) e expressar as premissas com clareza. Isso não pode fazer com que seu texto fique extenso e repleto de abobrinhas, pelo contrário. Escreva o que é necessário para facilitar a compreensão do leitor acerca de seus argumentos e conceituações.

  • Dominar a estrutura do gênero textual que está escrevendo

Em sua vida acadêmica e pessoal, você escreverá diversos gêneros textuais, por necessidade ou por vontade. É sempre necessário que se conheça a estrutura e os objetivos do que se escreve: um poema, por exemplo, exprime um sentimento, uma crítica, uma análise artística com estrutura em versos, enquanto um artigo científico abordará um objeto que será pesquisado e analisado pelo autor. Outrossim, no ambiente jurídico, é deveras importante ter conhecimento acerca da peça que se está elaborando, para que se evitem gafes e se expresse o Direito da forma mais adequada possível.

Conclusão

A escrita, muitas vezes enxergada como um grande desafio ou como algo muito fácil, carrega em si nuances que podem ser estáticas ou variáveis. É importante conhecer os elementos que dela fazem parte, e expandir sempre nossos conhecimentos literários e de nossa língua materna, para que possamos transmitir, de forma clara e fluida, nossas ideias por meio da escrita. Espero que esse artigo tenha sido de alguma ajuda!

0 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)